terça-feira, 3 de abril de 2007

Random thought

Leio isto. É frequente ver pessoas a apoiarem-se na miséria alheia para darem graças da sorte que têm, uma atitude no mínimo hipócrita mas inevitável quando não conseguimos perceber isso por nós próprios. Basicamente 100% das pessoas que vão ler este post têm uma vida do caraças.

Agora, o que eu nunca tinha visto era alguém a usar a miséria alheia para verificar que a sua existência talvez não esteja assim tão "cheia"- à falta de melhor palavra- como isso, que a vida é muito mais que viagens, livros, desgostos amorosos, é muito mais do que eu talvez possa imaginar. E a minha imaginação é fértil. Muito bom.

A única coisa que me deixa triste é que o mais provável é ela ter pedido ao taxista para dar a volta ao quarteirão e voltou para o caminho que a vida a forçou a tomar, mas de certeza que, se tiver feito isso, o que romanticamente espero que não, quando chegou a casa deu um abraço mais forte do que é costume à filha.

3 comentários:

El-Gee disse...

Zé, já agora, e para estares enquadrado com a história toda, devo dizer que aquilo é fruto da minha imaginação.

Porem, tentei construir algo que pudesse ter acontecido!

Abraço

ze maria disse...

devias ter mantido o mito, tinha muito mais graça hehe

El-Gee disse...

Por acaso nao acho! Sou um apologista da verdade! (um verdadeiro chato!)