terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Children see, children do

Campanha da NAPCAN (National Association for Prevention of Child Abuse and Neglect), associação australiana. Bem sei que não somos só as nossas circunstâncias, mas não me parece haver dúvida que também as somos, e de que maneira. Não chego ao extremo de pensar que as crianças são um recipiente vazio que os pais e outros enchem; para mim, esse recipiente já lá tem qualquer coisa: tang, chocolate ou café em pó, groselha ou sunquick, you name it, que por sua vez se vai misturar com o que o mundo decidir despejar lá para dentro.

Uma ideia brutal. E a curiosidade também é isto.

5 comentários:

Nordeste disse...

A ideia é incrível. Já fiz um trabalho sobre isto.

Anónimo disse...

a curiosidade? essa era para mim?

é claro que tem razao! alias os estudos em relação a por exemplo abuso sexual mostram que nem todas as crianças que foram abusadas se tornaram futuros abusadores, mas que a grande maioria (quase totalidade) dos abusadores tinha sido abusado em criança! got the picture my dear? é claro que duas crianças nas mesmas condições não saem obrigatoriamente iguais!isso depende de milhões de factores.

voce ta a falar também de resiliencia! conhece? wikipedia consigo? e por exemplo a inteligencia é um grande factor de protecção! entre outros!

rosé mari disse...

yes it was..and yes I do, já me foi apresentada essa tal de dona resiliência, é uma moça bastante simpática e muito flexível, if you know what I mean...

adoro a chapada de luva branca disfarçada hehe

Anónimo disse...

Parabéns Rosé Mari, como gostas de de te auto-denominar. Que esta nova idade traga mais vitórias em todos os campos da tua vida...

Abraço

Miguel Aires

rosé mari disse...

gracias!