quarta-feira, 12 de setembro de 2007

What's in a name?


Sabe-se que a situação está preta quando se respira de alívio por ler que o Miguel Vítor está apto para jogar contra a Naval. Já agora, pais do Miguel Vítor, vocês são completamente estúpidos, não são?Se era para pôr Vítor no nome, ao menos eram inteligentes e faziam um brilharete, e chamavam-no de JOÃO Vítor.

As vantagens são inequívocas:

- um ganho qualitativo ao nível da sonoridade: soa muito melhor um "OH JOÃO VÍTOR ANDA JÁ 'PA CASA!" do que um "OH MIGUEL VÍTOR ANDA JÁ 'PA CASA!" (para uma melhor compreensão é favor imaginar a mãe do petiz, à porta de casa, caracóis fartos, avental com motivos florais azul-azulejo e rosa a disfarçar uma protuberante barriga, a vociferar a frase em questão a plenos pulmões, carregando forte e feio no "í" e no "o" de Vííítóóór)

- redução significativa ao nível da utilização das cordas vocais: considere-se a quantidade de primeiros "o"s que são poupados ao nome João quando dito, ao longo de uma vida, de forma acelerada por uma sopeira enervada do Montijo. De Miguel para "Jão" vão quantas letras? Pois é, três-letras-três, eu sou o Zé Gordo e a mim ninguém me fode, já dizia o outro naquele pôr-do-sol espectacular em Vila Nova.

- Possibilidade de criação da sempre divertida alcunha que consiste em pegar nas duas primeiras letras de cada nome próprio: com efeito, a simples passagem de Miguel para João abre alas ao surgimento de um refrescante "Jovi", no lugar de um cinzento e enfadonho "Mivi". Daí até ao piropo "És todo Bon...Jovi", por uma qualquer suburbana, seria um passo.

Nem me alongarei quanto às vantagens de engate. Ser João num país anglo-saxónico equivale a pelo menos 2/3 minutos de conversa com uma bifa a tentar explicar como é que se pronuncia o nome, e isso para uma pessoa que não fale muito bem inglês -algo me diz que aqui o nosso Miguel Vítor é mais do que menino para isso- vale ouro.

5 comentários:

Galiano disse...

Acontece k "Vitor" no nome n foi opção. O jovem central chama-se mm Miguel Angelo Leonardo Vítor.

E João Angelo não combina tão bem, e duas alterações já é exigir de mais à família Leonardo Vitor.

Anónimo disse...

nunca vi um gajo com tanto nome próprio...

Anónimo disse...

pah escrever vitor à moderna é que tá mal, é Victor e não vitor, isso sao brasileiradas manhosas

zmj disse...

uma coisa não exclui a outra, meu caro amigo recentemente enveredado pelas lides tauromáquicas.

Reza o artigo 1875º do CC, que "o filho usará apelidos do pai e da mãe ou só de um deles". Como tal, nada impediria os pais do rebento de o chamarem Miguel Angelo Leonardo Da Vinci, vá.

Logo, "se era para pôr Vítor no nome", que efectivamente foi uma opção, ao menos chamavam-no de João!

zmj disse...

anyway, a escolha no nome revela que ou a família do jovem se interessa particularmente pelo Renascimento, ou é fã dos Delfins e de outros cantores de música "popular" portuguesa hehe. ve la se estudas!